“Mamãe eu ODEIO o bebê que chegou!”

Descubra um método capaz de impedir que isso saia da boca da sua criança, enquanto seus filhos crescem amigos por toda a vida.

Quem não conhece um caso triste de alguém que cresceu sem falar com o irmão?

Ou que se dava muito bem com os irmãos na infância, mas depois que cresceram cortaram relações por brigas, ciúmes ou qualquer desentendimento?

Pare para pensar…

É difícil acostumar-se com a ideia de que uma pessoa, filha do mesmo pai ou da mesma mãe, sangue do seu sangue, pode viver a vida sem ligar muito pra você ou pros seus filhos.

O coração chega a apertar, não é? 💔

Afinal, quando pensamos em uma relação saudável entre irmãos ela não se parece em NADA com isso.

Inclusive, se contássemos para aquelas crianças que brincavam juntas na rua que o futuro delas depois que crescessem seria esse, elas jamais acreditariam…

Mas a gente cresce, a vida vai ficando cada vez mais complicada, e se algum resquício de ciúmes permanecer incurado no coração…

As pequenas batalhas do dia a dia podem fazer a “ferida abrir” e envenenar todo o corpo.

E 90% de todas essas feridas são formadas quando somos crianças, muitas vezes sem que os pais sequer percebam (Mesmo que as crianças sejam tratadas com todo o amor e cuidado do mundo!)

Pequenas faíscas podem acabar sendo “assopradas” no dia a dia…

Até que uma fogueira de raiva, tristeza e rancor queime no coração dos seus filhos tomados pelo ciúmes.

Nossa missão aqui, é impedir que esse” fogo” se alastre e acabe transformando em cinzas todas as memórias dos bons momentos que as crianças ainda têm para compartilhar, juntos.

Te convido a continuar essa leitura comigo, atenta. Prometo não tomar muito do seu tempo e abrir seus olhos para “faíscas” escondidas…

De uma mãe para outra,

A gente sabe que a maioria de nós decide ter o segundo filho, justamente para que as crianças:

Mas ao contrário do que muitos pensam, essa “irmandade” não acontecerá naturalmente.

E não porque não haja amor, mas porque a competição é inerente ao ser humano e sentimos ciúmes por INSTINTO.

Dessa forma, precisamos criar mecanismos capazes de "reprogramar" a forma instintiva que nossas crianças lidam com a chegada de um novo ser-humano em casa…

Tomando grande parte da atenção que, há pouquíssimo tempo, era dedicada exclusivamente para ele.

Como qualquer amizade, precisamos aprender a “regar a plantinha” diariamente para que ela cresça.

E faz parte do nosso papel como pais, ensinar aos nossos filhos como isso pode e deve ser feito.

QUANDO OS PAIS SE FOREM, ELES SÓ TERÃO UNS AOS OUTROS.

Não é novidade que um dia os pais vão embora.

Talvez você, assim como eu, já não tenha mais nenhum dos dois na sua vida…

(E se porventura ainda os tiver, por favor, AGRADEÇA! 🙏🏻)

Acontece que, seguindo a ordem natural da vida, um dia também partiremos e cabe a nós mães, ajudar a fortalecer o vínculo entre irmãos para que se apoiam um no outro, quando já não estivermos por aqui.

Os laços mais fortes são construídos na infância e essa construção começa a contar desde a descoberta que o novo irmãozinho está na barriga.

Como você apresentou essa novidade para sua criança?

Como você apresentou essa novidade para sua criança?

Aqui você vai aprender técnicas práticas para evitar que o ciúmes se desenvolva desde o início.

Técnicas que trouxeram harmonia, paz e ainda mais amor à inúmeras famílias... (Inclusive à minha, com 3 meninos!)

Se você também sonha em ver seus filhos construindo essa relação de amizade e companheirismo, vamos adiante!

(Na próxima página faremos um exercício capaz de transformar a forma que você enxergará o comportamento ciumento da sua criança)

Clique no botão abaixo para continuar…