A neurociência comprova...

Você está ligando um sinal de "Alerta Vermelho" na cabeça do seu filho...

(E mesmo que seja sem querer,você só conseguirá lidar com as birras se souber apagá-lo!)

Então leia essa carta até o final, ou lide com as consequências em casa...

Por: Karla Mendonça

Mestranda em Educação pela Universidade da Flórida e Pós- graduanda em Neurociência. Já ajudou + de 10.000 mães a educar sem surtar, sem nunca se esquecer de seu primeiro caso de sucesso: ela própria!

Mesmo que às vezes pareça impossível educar sem surtar...
(A não ser nos comerciais de margarina ou na vida das blogueiras e famosas da internet 🤔)
Eu vou te mostrar como, com a técnica certa, é possível nunca mais sentir vergonha ou raiva do comportamento do seu filho.
Não importa se vivem te olhando torto porque acham que a sua criança é “birrenta demais”, “bagunceira”, “desobediente” e vive “tirando todo mundo do sério”...
Se vier comigo, vou te mostrar o que EU fiz, continuo fazendo e ensinei mais de 10.000 mulheres a fazerem também.

(⏰ Tempo de leitura = 6 minutos)
você está prestes a descobrir...

Olá mãe,
Se você continuou a leitura comigo até aqui, só pode significar duas coisas:

1 - A primeira é que você não está 100% feliz com o comportamento do seu filho ou filha dentro de casa, e pela minha experiência, toda essa situação de quarentena apenas agravou ainda mais a situação...
2 - A segunda é que você talvez já esteja desistindo de tentar melhorar como mãe, porque simplesmente se vê vencida pelo cansaço e parece só girar em círculos.
E é claro que não tem absolutamente nada de errado em querer filhos mais tranquilos e obedientes...

Mas por que, afinal, você acaba sempre voltando na mesma?
Quando as birras continuam e parece que só você é a fraca, que não tem “pulso” para manter a postura até o final...
(Ou pior: Quando é rígida demais, e parece não transmitir amor ao educar!)
Eu estou aqui para te provar: Não precisa ser assim!
Durante esta leitura, você aprenderá uma técnica bastante contra-intuitiva...
(e em certos pontos, bastante polêmica)
A partir da qual você aprenderá a jogar o jogo da educação infantil, respeitando a maneira como a cabeça de uma criança funciona.
E você verá que, em 93% dos casos, o mau comportamento não têm NADA a ver com hiperativismo, déficit de atenção ou incapacidade de obedecer...
E se agir rápido, evitará que suas crianças se tornem adultos perdidos, depressivos, infelizes e cheios de traumas!

O JEITO CERTO DE LIDAR COM MANHAS E BIRRAS

Pra tudo ficar mais claro, vou te contar sobre uma situação recente...
(E que eu tenho CERTEZA: Já aconteceu com você também)
Eu me lembro de um dia em que estávamos em um restaurante almoçando.
Eu, meu marido, nosso amigo Gustavo e nosso filho Edu, que tinha acabado de fazer 2 anos.
Enquanto os adultos conversavam, o Edu começou:
“Mamãe, olha a minha colher, mamãe!”
Tentava, de todo o jeito, chamar a minha atenção.
E não parava, nem na reza brava!
Talvez, só de ouvir isso, você já tenha se lembrado de algum episódio similar...
E eu sei... Pode ter até subido o sangue por um momento.
Mas como te falei que este é um jogo em que a regra é a forma como a cabeça DA CRIANÇA funciona...
Por que será que o Edu estava fazendo isso?
Simples: Porque na visão dele nós, os adultos, estávamos conversando e excluindo ele!
Ele estava se sentindo pertencente? Não!
Ele estava se sentindo excluído da conversa...
E o que ele fez para se sentir pertencente? Usou a única estratégia que ele conhecia para fazer parte da conversa...
Por isso ficou me chamando!
E eu posso apostar que, assim como 9 em cada 10 mães...
Seu primeiro impulso seria repreender a birra.
Mas será que isso adianta?
Bem... Se fizesse isso, a briga poderia até cessar o comportamento por alguns minutos, mas o sentimento de “não pertencimento” continuaria dentro dele e ele iria continuar agindo inadequadamente.
Então o que eu fiz?
Parece óbvio…
Mas bastou incluir a minha criança na conversa!
"Ô filho, o papai está contando aqui do trabalho dele!”
E depois dessa simples frase, continuamos a conversa sem interrupções.
Porque os olhinhos dele agora não estavam mais olhando para a mamãe que não dá atenção…
Mas sim para o papai que tinha algo interessante pra falar.
E por que um simples gesto como esse é tão importante?
Porque, se mesmo nas mínimas coisas, sua criança não tem se sentido aceita e importante…
Isso significa que o“Alerta Vermelho” é disparado dentro do pequeno cérebro dela , fazendo com que entre em “curto circuito”.
E assim como dominós enfileirados, acabe prejudicando seu comportamento, sua capacidade de aprendizado e por fim, sua relação com às pessoas…
Percebe a relação em cadeia?

Então, por mais que você...
☹️ Tente parar com o mau comportamento, no grito ou na ameaça;
☹️ Coloque a criança de castigo para “refletir” no que fez;
☹️ E até mesmo dê umas palmadas nele ou nela, o que só causa mais choro…
Sua “pausa” no comportamento inadequado não será legítima, espontânea ou voluntária, mas apenas causada pelo medo de apanhar ou ser castigada pelos pais.
E não há dúvidas: Rapidamente voltará a aparecer e a chatear a todos novamente.
Só que, cada vez mais forte, do que da vez anterior!

“OK, Karlinha...Como resolver o problema, de uma vez por todas, então?”

Essa foi exatamente a mesma pergunta que eu me fiz, no início dos meus estudos...
E antes de mais nada, você precisa parar de cometer um erro que 9 em cada 10 mães comete...
A que por causa dele, os pequenos vira-e-mexe entram em curto-circuito.
Porque não adianta esperar de uma criança o mesmo comportamento que se esperaria de um adulto.
O "pulo do gato" para retomar o controle da educação em casa, é ativar certos gatilhos comportamentais na cabeça do seu filho...
Que mesmo sendo contra-intuitivos, funcionam simplesmente porque crianças são crianças!
E existe uma técnica simples, que ao ser replicada repetidas vezes, garante que o ALERTA VERMELHO nunca mais volte a soar.
Ela permitirá a você a voz de comando nas mais variadas situações...
Ao mesmo tempo em que fará com que seu filho se sinta amado e incluído, mesmo nas situações em que tudo o que você quer é que ele fique em silêncio.

AS REGRAS DO JOGO:

Existe um jeito simples de lidar com qualquer comportamento do seu filho...
Estando sempre um passo à frente, na hora de conduzir qualquer situação.
Tudo tem a ver com a maneira que o cérebro dele funciona...
(E que, por ainda estar "em construção", acaba sendo totalmente diferente do de um adulto)
Afinal, por que as crianças tendem a olhar fixamente para uma simples rachadura no chão?
Por que entram em êxtase quando desenham na areia com um graveto?
E por que não estão nem aí para tomar banho correndo para ir para a escola, ou comer tudo rapidinho para que você termine a louça sem se atrasar...
Ficará claro o motivo de você não entender a cabeça dele, enquanto ele entende ainda menos a sua...
E porque, ao ignorar isso, você acaba entrando em um ciclo vicioso de estresse, vergonha pelo mau comportamento, e afastamento na relação de vocês!
Ao clicar para a próxima página, vou te mostrar como evitar um erro comum, que 9 em cada 10 mães cometem.
(E que por causa dele, as crianças chegam a dar tapas, mordidas, e se jogar no chão!)
Eu mesma só me toquei do quanto isso é importante…
Quando me vi repetindo certos comportamentos do meu pai…
Que quando eu era criança, disparavam o meu alerta vermelho, o tempo todo.
(E que pra você ter uma ideia, já me fizeram ajoelhar ao pé da cama e pedir nas minhas orações, quando tinha apenas 5 anos…
“Deus, por favor, leva o meu papai para morar com o Senhor aí no céu”.)
Eu tenho certeza que tudo o que você, como mãe, não quer... É que seu filho peça uma coisa dessas nas orações...
Então, se quer aprender a regra de ouro para educar sem surtar...
E nunca mais ligar o ALERTA VERMELHO na cabeça do seu pequeno...
Clique no botão a seguir.
(Na próxima página, vou te mostrar como eliminar a birra em seu princípio, sem precisar ficar em estado de nervos)

Ao clicar no botão, você vai descobrir...